Suicídio: informação básica

01/07/2011 § Deixe um comentário

Alice (Deborah Secco) protagonista do episódio "A Suicida da Lapa", da série As Cariocas, planeja seu suicídio

O episódio apresentado pela Rede Globo, “A suicida da Lapa”, da série As Cariocas, nos remete a revisitar um tema que é sempre atual: a questão do suicídio. O desconhecimento da sociedade a respeito daquilo que se tem descoberto a respeito do suicídio e daquelas situações que tornam o seu estudo trabalhoso é uma dificuldade a mais na abordagem médica deste tema. Em 2007, desenvolvemos no Hospital Psiquiátrico São Pedro um projeto que visava aumentar o conhecimento dos familiares dos pacientes que tinham risco de suicídio, e nos deparamos com o quanto a desinformação expõe os pacientes a riscos.

Como todos os eventos que envolvem a morte, o fenômeno do suicídio é imerso em preconceito. O paciente muitas vezes tem vergonha de dizer que está pensando em se matar; o familiar acredita que o paciente está querendo chamar atenção, porque se quisesse mesmo não falaria a respeito e apenas faria, e o médico, muitas vezes, não pergunta sobre a ideação suicida porque teme que assim fazendo possa dar a idéia de se matar ao paciente. Os próprios meios de comunicação não veiculam a ocorrência do suicídio pelo mesmo motivo. Essa rede de desinformação acaba muitas vezes a dificultar o enfrentamento desse evento que é presente em todas as sociedades.

Antes de mais nada, o suicídio é um evento médico. Alguns consideram essa escolha justificável em algumas situações, como nos pacientes terminais que sentem dores insuportáveis, mas ocorre que em cerca de 90% dos casos de suicídio se identifica que o paciente está vivenciando um transtorno psiquiátrico no momento do suicídio (que inclusive pode aumentar a percepção da dor pelo paciente). O paciente que fala em se matar pode vir a fazê-lo. Em algumas situações, a família pode conduzir o paciente compulsoriamente para avaliação médica, se considerar que o paciente apresente um risco de fazer algo contra si mesmo que o justifique. Existem ações e medicações que comprovadamente diminuem o risco de suicídio, como a observação constínua, como a restrição aos meios letais, como a abstinência do álcool, como o lítio e os antidepressivos nos transtornos de humor e como a clozapina nos transtornos psicóticos.

O suicídio é um fenômeno, um dos poucos dentro da psiquiatria, que está relacionado diretamente com a quantidade de uma substância no cérebro, a serotonina. Pacientes que cometem suicídio têm um risco aumentado de terem quantidades diminuidas de serotonina no cérebro. Pacientes com histórico familiar de suicídio apresentam risco aumentado de também cometerem suicídio, e vários genes tem sido implicados como possivelmente associados ao suicídio. O consumo de álcool aumenta em dez vezes a chance de um paciente com transtorno de humor vir a cometer suicídio, o que seria mais um motivo para restringir o seu consumo, além de outros, como o fato de facilitar o consumo de outras substâncias e de estar diretamente relacionado com as mortes do trânsito e com uma maior predisposição à violência.

A informação pode auxiliar que enfrentemos o suicídio de uma maneira mais eficaz. As pessoas considerarem a possibilidade de que o pensamento suicida seja apenas mais um entre outros pensamentos adoecidos por uma doença psiquiátrica pode levá-las a pedir ajuda e obter tratamento, com isso modificando significativamente tanto a sua percepção quanto os eventos da própria vida. A família ter conhecimento a respeito do suicídio pode auxiliá-la na tomada de decisão de insistir para que o familiar procure ajuda, de acompanhar o paciente continuamente, ou até, em casos extremos, de conduzir o paciente para tratamento sem o consentimento deste. O conhecimento pela sociedade de que o álcool está implicado também no evento do suicídio pode, ainda, qualificar o debate acerca dos riscos e benfícios de sua disponibilidade de consumo. 

* A Suicida da Lapa pode ser assistido em http://www.youtube.com/watch?v=T6s_8JHmrRc

* Imagem disponível em http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSJjQ9Zf7folaL7SHRAS_niy-UYmKrsJDAIyXzuHxa5jpOmEtwgyg

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Suicídio: informação básica no Caderno de Terapia.

Meta

%d blogueiros gostam disto: